USG TRANSVAGINAL

Para Que Serve

A função dele é identificar as possíveis causas como a dor pélvica, miomas, infertilidade ou sangramento anormal. No entanto, também pode ser aconselhado quando existe suspeita de presença de cistos ou gravidez ectópica (nas trompas), assim como para colocar o DIU e posteriormente verificar se o posicionamento esté adequado na cavidade uterina.

Informações Para Atendimento

Chegar com 30 minutos de antecedência do horário agendado. É obrigatório trazer documento de identificação. Trazer exames anteriores da região a ser examinada.

Restrições de Idade

Cliente menor de 18 anos (17 anos 11 meses e 29 dias) é obrigatório a presença de um responsável legal para a realização do exame.

Informações de Agendamento

É necessário agendamento para este exame. Para ter um atendimento rápido e com prioridade, agende seus exames online e confira.

Orientações Gerais

Não é aconselhado a presença de crianças durante a realização do exame. A paciente não pode ter o hímen íntegro (virgem).

Informações de Jejum

Para esse exame não é necessário jejum.

Preparo Geral

Para esse exame não é necessário preparo prévio.

Slider

Dúvidas Frequentes

O ultrassom transvaginal auxilia no diagnóstico e avaliação das principais doenças que afetam os órgãos internos femininos, como o útero, ovários e trompas.

Em uma ultrassonografia, uma sonda envia as ondas sonoras e recebe o eco das ondas. À medida que as ondas ricocheteiam em órgãos, fluidos e tecidos internos, essa sonda recebe qualquer mudança na intensidade ou direção do som. Em seguida, ela transforma isso em imagens que são transmitidas instantaneamente em um monitor.

Assim, um ultrassom obstétrico fornece imagens do útero e dos ovários, incluindo, se houver, um embrião ou feto. Durante o exame, dependendo do tempo de gestação, o movimento do embrião e as batidas do coração podem ser vistos.

Sempre que o médico ginecologista achar necessário para confirmar ou acompanhar algum tipo de doença pélvica feminina, confirmar uma possível gestação ou verificar o posicionamento do DIU. É considerado um exame de rotina ginecológica.

A técnica ultrassonográfica não utiliza radiação ionizante e não causa efeitos colaterais danosos. É um procedimento seguro e totalmente recomendável para a rotina ginecológica.